Algo está mal

 Algo está mal…

Quando abres a porta do frigorífico em vez do micro-ondas;
Quando encontras conforto numa caixa de chocolates daqueles que te pedem ….«vá lá, só mais um»;
Quando acabas de tomar banho e te apercebes que «… não levaste toalha»;
Quando trocas protector solar por creme hidratante;
Quando tens filmes para ver, livros para ler e… passas o tempo a “cercar formigas com água”;
Quando te emocionas porque algum cantor/actor (do teu tempo) faleceu;
Quando começas a guardar a lista das chamadas telefónicas e sms recebidas;

Algo está mal…

Quando o sol que apanhas na praia te sobe à cabeça e pensas que és o Super-Homem;
Quando regressas de férias e já estás com vontade de partir novamente;
Quando tens medo de esquecer;
Quando deveria aqui partilhar convosco, como foram uns dias fantásticos de férias que tive, e acabo simplesmente por dizer… Algo está mal, para não dizer aquela expressão antiga, mas que nos tempos de hoje é proscrita e aconselhável não usar. 

Como homem prevenido vale por dois, fiquemos por aqui.

Pronto, pronto… ficam algumas fotos dos tais momentos fantásticos, que passei nos primeiros dias deste mês, recarregando as baterias e desligando-me do que (eventualmente) está mal.


Tudo de bom.

Cuidem-se. 


É o que temos

Julho… foi um mês “estranho”, algo atípico.
Incertezas, contradições, dias quentes, outros de chuva, ventos fortes, manhãs de nevoeiro.

Andei por aí sem nada planeado, vendo “no que é que isto dava”.
O carro ficou sempre em casa (e então com o preço da gasolina…), dando assim algum exercício ás pernas, (re)descobrindo alguns caminhos e rotas em pequenas viagens, sempre usando os transportes públicos, algo que não fazia desde o início da pandemia.

Confesso que nem sempre me senti “seguro”. Mas não falemos disso pois a conversa é outra, preferindo partilhar o outro lado da questão, neste caso a mais agradável.



Foi sem dúvida um mês diferente, com dias e momentos para guardar, repetir e mais tarde recordar. 
É o que temos… Aproveitem bem, com responsabilidade e protector solar se for o caso disso.

Excelente mês de Agosto para todos.


Tudo de bom.
Cuidem-se.


Já nada me admira (ou a lógica da batata)

 Na semana passada, e cumprindo as normas estipuladas pelas entidades competentes, ficaram proibidas de novo as aulas de grupo na piscina.

Assim, 08 utentes (de 12 no máximo) não podem frequentar a aula na modalidade de hidroginástica, numa piscina (não é um tanque) de vinte e cinco metros de comprimento, seis pistas e com todas as normas de segurança.

Mas posso:

- Andar de autocarro (transportes públicos) com lotação máxima de 54 passageiros;
- Ir a um restaurante com 30 clientes a comer, beber e a falar/conviver;
- Andar de eléctrico com lotação máxima de 20 passageiros (na maioria turistas que nem sempre se “apercebem” que é obrigatório andar de máscara).😕😷

Será que 8 corajosos, dinâmicos, assíduos e saudáveis cidadãos (já todos vacinados!) são um perigo, fonte de infecção/transmissibilidade do dito cujo vírus, ou será que o mesmo vírus detesta andar de transportes públicos e ir a restaurantes?
Entretenham-se vocês a tentar “perceber” as mencionadas diferenças e a lógica disto tudo. Por mim, desde que vi um porco a andar de bicicleta, já nada me admira.👀😏

__

Como não vejo grande viabilidade de um retorno ás aulas nestes próximos tempos e com a aproximação do mês de Agosto (mês de férias), aproveito para desejar a todos os funcionários, colaboradores, utentes e professores, umas excelentes e merecidas férias.👍💪💓

Cuidem-se!

Tudo de bom.

 

 

Um lugar seguro

 

Junho já vai a meio (já?!) assim como o ano… mais parece uma prova de resistência, daquelas efectuadas durante horas e horas, à volta de um circuito com as mesmas curvas, subidas, descidas… vamos lá ver quem aguenta. Uns mais rápidos, outros andarão só mesmo para atrapalhar e não faltará quem só quer mesmo chegar ao fim. Outros farão o seu melhor tentando aproveitar ao máximo a experiência e o momento, cada curva, subida, descida, simplesmente pelo simples gozo da prova.

Existirá sempre quem só pensa em ganhar, ficar em segundo será perder.

De quem se falará será do ‘primeiro’, de quem levou o ‘caneco’ ou a medalha de ouro, símbolo do primeiro lugar, e esses serão uma pequena percentagem. Os outros… foram apurados, estiveram lá (após muito esforço, dedicação e trabalho), mas nada mais que isso.

Estamos em Junho… o mês dos Santos Populares, de alguns dias quentes, alterações de temperatura, férias para alguns, trabalho para outros e... mês de vacinação😷😉

Mais uma curva que antecede uma descida, para depois curvar novamente… ainda faltam algumas curvas, algumas voltas …

O importante é ganhar ou chegar ao fim? Depende.


«Faço das lembranças um lugar seguro»… diz a canção.

Tudo de bom!
Cuidem-se.

Coração

 



"coração",

 1. [Anatomia]  Órgão musculoso, centro do sistema de circulação do sangue.


abrir o coração
• Desabafar.

com o coração nas mãos
• Com grande sinceridade ou franqueza.

• Com inquietação ou preocupação.

cortar o coração
• Causar tristeza ou compaixão (ex.: gemidos de cortar o coração; são histórias de vida que 
cortam o coração). = AFLIGIR, COMOVER

falar ao coração
• Comover, sensibilizar alguém.

ter o coração ao pé da boca
• Afligir-se facilmente.


"coração", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa

 


Coração… o meu, de cada um, de todos, neste mês de Maio, onde se comem as cerejas ao borralho;
Coração… nem sempre bem tratado, desculpado, ilibado;
Coração… aguenta.

 


Tenham todos, um excelente mês de Maio.
Cuidem-se.

Tudo de bom.


Quatro e um queque

 

Imagem Google

Hoje decidi bater o meu record nos cinco kms que faço diariamente logo pela manhã. Reforcei no pequeno-almoço, vesti roupa mais fresca e siga!
Qual o meu espanto, que a determinada altura os carros começaram a buzinar-me…  o que me espantava pois não estava a cometer nenhuma infracção. Seria que tinha algo de fora? Teria deixado cair alguma coisa? Máscara? Também não pois já saio de casa com ela colocada. Continuei o meu caminho e objectivo, ao som das músicas escolhidas para o momento e depois de ter esticado o dedo do meio (menino rebelde) ao mal disposto que não gostou que eu o ultrapassasse pela direita (os ciclistas também andam pelo passeio e aos zig-zags conforme lhes apetece) e a verdade é que ele ia mesmo muito devagar e a empatar.
A determina altura e já com o objectivo muito perto, recebo um alerta do meu relógio-inteligente (coisa fina) que é necessário reduzir um pouco o esforço… mas  a meta estava perto e dei mais um pequeno sprint…

- Ei Sr Flores! Hoje chegou mais cedo. E de patins?!
- Ooops. Pelos vistos enganei-me no calçado.
- E vão ser na mesma quatro, como é costume?
- Quatro e um queque, faz favor. Hoje andei muito rápido. 😎😂💪

Imagem Google

👍

A million miles away
Your signal in the distance
To whom it may concern
I think I lost my way
Getting good at starting over
Every time that I return

Learning to walk again
I believe I've waited long enough
Where do I begin?
Learning to talk again
Can't you see I've waited long enough?
Where do I begin?

Foo Fighters
- Walk_

….

Tudo de bom.
Cuidem-se!

Março... simplesmente.

 

«E de um momento para o outro, estamos a chegar ao final do mês de Março, muito diferente de outros e que jamais esqueceremos.
Podia ser só o mês do meu aniversário, o mês da Primavera, da mudança horária, de aniversários de alguns amigos e familiares, podia ser (e foi)  o mês de muitas emoções e celebrações, mas acima de tudo, e o que fica mesmo num registo que jamais se esquecerá, é esta maldita epidemia.
Podia ser só Março… simplesmente.»

[Agenda 2020 - Diário Covid]

E nada mudou, tudo se repetiu, nada se reinventou. Só queria mesmo o mês de Março… simplesmente.


Cuidem-se.
Tudo de bom.

Vou levar uma cenoura

 

Vamos lá ver se consigo contar uma anedota... sem asneiras.👀😊

1 º acto 
Boa tarde, tudo bem? (pergunto eu)
O tipo com a carinha (no lugar de asneira) virada sempre para o monitor, touca na cabeça, máscara (a tapar a boquinha e o nariz ligeiramente de fora), acena com a cabeça como fazem aqueles queridos animais em vias de extinção (os animais… não é o da boquinha tapada), e emite um ligeiro grunhido que traduzi sem auxílio do Google Tradutor «sim, tudo bem».

2º acto 
- Fuma? Não (Cenas faz-me rir… isso queria ele saber);
- Bebe? Pontualmente;
- Quantos dias por semana? Só ao fim-de-semana (grande mentiroso … a gozar com o animalzinho);
- Ao Sábado e Domingo? Não, só ao Sábado;
- Ao almoço e jantar? Só ao almoço;
- Branco ou Tinto? Tinto! (ainda bem que a cena do Pinóquio não se aplica a mim pois já tenho nariz grande de nascença e orelhas à Dumbo…)

3º acto 
- Quer saber quando vai tomar a vacina, quer? (aqui já o animal está com as patas dianteiras em cima da secretária, virado para mim, com o focinho meio tapado meio descoberto) vociferando algo que não entendi de imediato, mas que apanhei a parte final: …«pergunte ao Sr. das Selfies e a todos os especialistas que o rodeiam

😝

Acho que na próxima consulta vou levar uma cenoura.😂😂

Tudo de bom.
Cuidem-se.


Somos tão frágeis

 

Foi há um ano que fui até Cerveira, passeei, e claro comi um Cerveirense; Foi há um ano que atestei o depósito de combustível da viatura a um preço simpático de € 1,30; Foi há um ano que tomei o pequeno almoço em Portugal e passeei em Espanha até à hora do almoço; Foi há um ano que fiz e recebi tanta coisa que jamais se repetiu.
Foi há um ano, um dia chuvoso, cinzento e que antevia já os dias (e a pandemia) que se aproximavam.

Somos tão frágeis…

Tudo de bom.
Cuidem-se.